Agora escrevo um texto que agora você está a ler.

Agora você vive uma relação, agora você tem um desejo, agora uma excitação. Você vive o agora, o passado já viveu e o futuro, este ainda está por vir.

Mas a vida faz-se apenas de agora? Espero que consiga viver o agora intensamente, mas sem prejudicar-se.

Esperamos a emoção, a felicidade representadas pelas fantasias conseguidas na TV, nas histórias, nos romances, nas fantasias dos nossos pais e da nossa sociedade. Vivemos na geração do ?AGORA?: o que queremos, queremos já. Esperamos conquistar e manter uma boa relação agora, mas, muitas vezes, não se pensa no amanhã. Esperamos manter um alto nível de excitação através de relações sexuais frequentes e maravilhosas e, não obstante, não nos ocorre a lutar por ele. Quando a realidade nos oferece um pouco menos, nós sofremos e desistimos. Estamos pouco dispostos a aceitar o que é apenas satisfatório.

Agora nem sempre é agora. O que quero dizer é que na relação sexual está presente o agora, mas nem sempre se consegue no momento, a sexualidade não é disponibilidade total, o corpo não é uma máquina movida a bateria. Para uma relação acontecer é preciso mais do que o imediatismo, é preciso envolvimento, seja ele emocional, afectivo ou sexual. Uma sexualidade saudável não é aquela que funciona a 100% das horas que você precisa ou deseja. O ser humano, às vezes, precisa de muito mais que um estímulo, pode falhar o desejo, a excitação, o orgasmo e ?mais ainda??

A resposta sexual está dividida em 4 fases principais, estímulo, desejo, excitação e orgasmo. Para ter uma relação sexual saudável é preciso satisfazer as 4 fases, mas é importante dizer que se algum dia falhar, é normal, só passa a ser preocupante se for sucessivamente e com muitas parceiras (os) diferentes e se causar algum tipo de conflito (pessoal e relacional).

Agora espero que entenda melhor o seu corpo, espero que saiba interpretar os seus desejos para viver um agora relacional (sexual e afectivo) com melhor qualidade.