Cada vez mais os homens estão preocupados com a sua performance e com o prazer que podem proporcionar a sua/seu parceira/o. A maioria dos homens aprende a atrasar e controlar o orgasmo e o seu tempo de resposta ejaculatória com a experiência sexual e com a idade, com o objectivo de prolongar o acto sexual e aumentar a satisfação própria e da/o companheira/o. No entanto alguns homens não conseguem conter a ejaculação ou ejacular no momento desejado.

A Ejaculação Prematura é a disfunção sexual mais comum nos homens e atinge cerca de 22,4% dos homens portugueses. É descrita como a persistente ou recorrente  ejaculação, com ou sem orgasmo associado, com estimulação sexual mínima, antes, durante ou imediatamente após a penetração e antes que o homem o deseje, causando acentuado mal-estar ou dificuldade interpessoal, e em muitos casos, pode causar insatisfação sexual do próprio ou da/o parceira/o.

A ejaculação prematura ou precoce já foi caracterizada como uma ejaculação rápida que durava até 3 minutos ou 10 movimentos, mas actualmente esta definição é controversa, na medida que, o que está em causa é a satisfação subjectiva do próprio e/ou da/o parceira/o, bem como o controle da resposta ejaculatória.

Alguns homens com esta dificuldade conseguem atrasar a ejaculação, por um período de tempo consideravelmente mais longo do que durante o coito, com alguns parceiros ou situações, como exemplo, a masturbação.

Tipicamente a Ejaculação prematura ocorre em homens jovens, manifestando-se desde as primeiras relações sexuais. Entretanto, alguns homens perdem a capacidade de atrasar o orgasmo depois de um adequado funcionamento devido a redução da frequência das relações sexuais, da intensa ansiedade de desempenho, da perda do controle da ejaculação relacionada com a dificuldade de atingir ou manter a erecção, da abstinência de drogas (opiácios, álcool entre outros) e devido alterações no estado de saúde geral.

Geralmente, as causas associadas à ejaculação prematura são de origem psicológica tais como ansiedade e psicopatologias. No entanto, podem também ser de origem orgânica:  hipersensibilidade da glande e da estimulação peniana, freio curto, hipertireódismo, problemas neurológicos e medulares, processos inflamatórios e/ou infecciosos da próstata e vesícula seminal.

Alguns homens hesitam em iniciar encontros com novas/os parceiras/os com receio do embaraço provocado por esta perturbação. No entanto, o impacto desta disfunção não está associado apenas à sexualidade, pois pode causar problemas relacionais, isolamento social, depressão e intensificar a ansiedade.

É necessário conversar com a/o parceira/o para tentar perceber a existência do problema e a que nível afecta a sua satisfação sexual (e do seu parceiro/a) e relacional. Procure sempre um andrologista e um sexólogo. A ejaculação prematura é de fácil tratamento, tanto de forma farmacológica, quanto comportamental.